" Até onde posso vou deixando o melhor de mim...
Se alguém não viu...
Não me sentiu com o coração."
Clarice Lispector





Caso seja necessário copiar as questões elaboradas pela autora desta página, faça de forma que não haja exclusão do nome do blogger.
Agradeço a compreensão.



Qualquer dúvida relacionada aos conteúdos deste blogger entre em contato pelo endereço
ronyfaieth@hotmail.com.

















segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

ACENTUAÇÃO E FONOLOGIA

Da influência dos espelhos

Tu lembras daqueles grandes espelhos côncavos ou convexos que em certos estabelecimentos os proprietários colocavam à entrada para atrair os fregueses, achatando-os, alongando-os, deformando-os nas mais estranhas configurações?
Nós, as crianças de então, achávamos uma bruta graça, por saber que era tudo ilusão, embora talvez nem conhecêssemos o sentido da palavra "ilusão".
Não, nós bem sabíamos que não éramos aquilo!
Depois, ao crescer, descobrimos que, para os outros, não éramos precisamente isto que somos, mas aquilo que os outros vêem.
Cuidado, incauto leitor! Há casos, na vida, em que alguns acabam adaptando-se a essas imagens enganosas, despersonalizando-se num segundo "eu".
Que pode uma alma, ainda por cima invisível, contra o testemunho de milhares de espelhos?
Eis aqui um grave assunto para um conto, uma novela, um romance, ou uma tese de mestrado em Psicologia.
(Mário Quintana, Na volta da esquina. Porto Alegre, Globo, 1979, p. 79)

a. O autor do texto:
b. A. Vale-se de um incidente de seu tempo de criança, para mostrar a importância que tem a imaginação infantil.
B.Lembra-se das velhas táticas dos comerciantes, para concluir que aqueles tempos eram bem mais ingênuos que os de hoje.
c. C. alude a um antigo chamariz publicitário, para refletir sobre a personalidade profunda e sua imagem exterior.
d. D.Vale-se de um fato curioso que observava quando criança, para defender a tese de que o mundo já foi mais alegre e poético.

2) Considere as seguintes afirmações:
I. O autor mostra que, quando criança, não imaginava a força que pode ter a imagem que os outros fazem de nós.
II. As crianças deixavam-se cativar pela magia dos espelhos, chegando mesmo a confundir as imagens com a realidade.
III. O autor sustenta a idéia de que as crianças são menos convictas da própria identidade do que os adultos.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
a. I,II e III
b. III apenas
c. I apenas
d. I e II apenas



3. Em qual das alternativas abaixo ambas as palavras apresentam mais letras que fonemas?
a. fregueses, entrada
b. casos, vida
c. ilusão, palavra
d. vida, espelho
4. Destaque a alternativa em que o número de fonemas é maior que o número de letras.
a. espelhos
b. convexos
c. crescer
d. sentido.
5. Destaque a alternativa em que todas as palavras possuem dígrafo:
a. invisível, fregueses, assunto, conto
b. estranhas, bruta, graça, sentido
c. certos, proprietários, aquilo,ilusão
d. crescer, espelho, fregueses, certo
6. assinale a alternativa em que a regra de acentuação gráfica e a mesma da palavra café:
a. nó
b. crítica
c. guaraná
d. história
7. a palavra que está acentuada porque é uma paroxítona terminada em ditongo:
a. infância
b. troféu
c. saída
d. grátis
8. Dê exemplos de palavras oxítonas e paroxítonas que devem ser acentuadas.

Um comentário:

  1. Olá, gostei das sugestões de atividades especialmente por vc ter tratado da interpretação dos textos. Na minha concepção, não foram usados apenas como pretexto para o ensino de gramática, houve uma valorização no sentido. Talvez, seria interessante alguma questão aberta qnto ao assunto do texto. Parabéns pelo blogg! =)

    ResponderExcluir