TIRA DÚVIDAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

Envie suas perguntas para ronyfaieth@hotmail.com







domingo, 7 de junho de 2015

TIPOS DE SIGNOS, ACENTUAÇÃO E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

CENTRO DE ENSINO AMADO JOAQUIM-CEAJ
PROFESSORA: RONY FAIETH F. PASSINHO
ALUNOS (as): ________________________  _________________________

Crianças que aprendem a ser determinadas têm mais facilidade na vida adulta?
" A persistência é o caminho do êxito. "A frase, dita por Charles Chaplin, parece resumir o sucesso do ator que se tornou uma referência do cinema mudo. Para pesquisadores da Universidade Brigham Young (EUA), no entanto, o trabalho árduo começa ainda na infância, dentro de casa. [...]
1)      O que a primeira frase da notícia permite supor sobre o ator inglês Charles Chaplin?

2) se o titulo da notícia começasse com "criança determinada", como seria escrito o verbo ter?               tem
3) O título contém o verbo ter na terceira pessoa do presente. Justifique a grafia apresentada.
 Está no plural, portanto deve ser acentuado
4) como ficaria a frase "crianças determinadas □ mais chance de sucesso", se o □ fosse substituído pelo verbo deter no presente?detêm
                


5.( Língua Portuguesa: truques e táticas)Considerando a fala dos interlocutores, pode - se concluir que:
a. Um rato usa a língua culta e o outro usa a coloquial
b. O nível de linguagem passa do formal para o coloquial
c. No primeiro quadrinho um dos ratos opta pela língua coloquial
d . A intenção de um dos interlocutores era fazer o sanduíche e reparti-lo educadamente


6 .( Língua Portuguesa: truques e táticas) Existe variação da linguística que está diretamente ligada aos grupos sociais de uma maneira geral e também ao grau de instrução de uma determinada pessoa . Isso se observa no diálogo dos personagens presentes  na tira acima. Trata-se da variação:
a.       Regional
b.      Social
c.       Culta
d.      Coloquial
Antigamente
Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não fazia anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio.
                           Carlos Drummond de Andrade
Ao travarmos contato com o fragmento ora exposto, percebemos que nele existem certas expressões que já se encontram em desuso, tais como: Mademoiselles, prendadas, janotas, pé-de-alferes, balaio.
7.( Língua Portuguesa: truques e táticas) O texto acima exemplifica a variação:
a.       Geográfica
b.      Histórica
c.       Social
d.      Situacional



8.( Língua Portuguesa: truques e táticas) A respeito da placa acima é correto afirmar que:
a.       Não há erro de acentuação gráfica
b.      A palavra glúteos foi empregada corretamente
c.       Na placa, as palavras CONTÉM  e GLÚTEOS deveriam ser substituídas por contêm e glúten
d.      A palavra GLÚTEOS deveria ser substituída pela palavra GLUTEN, sem acento.

9.( Língua Portuguesa: truques e táticas) Relacione os tipos de signos aos enunciados a seguir:

 I.ÍCONES                    II.ÍNDICES                                      III. SÍMBOLOS

(     ) são signos que mantém relações causais com os objetos ou ideias que eles representam. Ex: fumaça para indicar fogo, talheres para indicar restaurante, sorrisos para indicar alegria, lágrimas para indicar tristeza, etc
(     ) são signos cujos significados são derivados de convenções. Ex: foi convencionado que um triângulo na pista significa carro com problemas; que uma pomba representa a paz; que a bandeira representa um país, que símbolos gráficos representam sons em uma palavra. Esses signos só são entendidos por quem conhece as convenções.
(     )são signos que mantém uma relação de analogia com o objeto representado. Ex: desenhos figurativos, fotos, caricaturas, etc
R: II, III, I
10. Entre as placas de trânsito encontram-se as que indicam serviços auxiliares, como se observa a seguir:

I. A placa não pode ser considerada um símbolo
II. A noção de índice está presente na placa
III. A placa utiliza ícones
Está correto o que se afirma EM:
a.       I e II
b.      II e III
c.       I e III

d.      I, II e III

TESTE - SUJEITO, PREDICADO E COMPLEMENTOS VERBAIS

CENTRO DE ENSINO AMADO JOAQUIM
PROFESSORA: RONY FAIETH F. PASSINHO
ALUNO: _______________________________
TESTE DE LÍNGUA PORTUGUESA
Internet e a importância da imprensa
       Este artigo não é sobre a pornografia no mundo virtual nem tampouco sobre os riscos de as redes sociais empobrecerem o relacionamento humano. Trata de um dos aspectos mais festejados da internet: o empowerment (“empoderamento”, fortalecimento) do cidadão proporcionado pela grande rede.
       É a primeira vez na História em que todos, ou quase todos, podem exercer a sua liberdade de expressão, escrevendo o que quiserem na internet. De forma instantânea, o que cada um publica está virtualmente acessível aos cinco continentes. Tal fato, inimaginável décadas atrás, vem modificando as relações sociais e políticas: diversos governos caíram em virtude da mobilização virtual, notícias antes censuradas são agora publicadas na rede, etc. Há um novo cenário democrático mais aberto, mais participativo, mais livre.
       E o que pode haver de negativo nisso tudo? A facilidade de conexão com outras pessoas tem provocado um novo fenômeno social. Com a internet, não é mais necessário conviver (e conversar) com pessoas que pensam de forma diferente. Com enorme facilidade, posso encontrar indivíduos “iguais” a mim, por mais minoritária que seja a minha posição.
       O risco está em que é muito fácil aderir ao seu clube” e, por comodidade, quase sem perceber, ir se encerrando nele. Não é infrequente que dentro dos guetos, físicos ou virtuais, ocorra um processo que desemboca no fanatismo e no extremismo.
       Em razão da ausência de diálogo entre posições diversas, o ativismo na internet nem sempre tem enriquecido o debate público. O empowerment digital é frequentemente utilizado apenas como um instrumento de pressão, o que é legítimo democraticamente, mas, não raras vezes, cruza a linha, para se configurar como intimidação, o que já não é tão legítimo assim...
       A internet, como espaço de liberdade, não garante por si só a criação de consensos nem o estabelecimento de uma base comum para o debate.
       Evidencia-se, aqui, um ponto importante. A internet não substitui a imprensa. Pelo contrário, esse fenômeno dos novos guetos põe em destaque o papel da imprensa no jogo democrático. Ao selecionar o que se publica, ela acaba sendo um importante moderador do debate público. Aquilo que muitos poderiam ver como uma limitação é o que torna possível o diálogo, ao criar um espaço de discussão num contexto de civilidade democrática, no qual o outro lado também é ouvido.
       A racionalidade não dialogada é estreita, já que todos nós temos muitos condicionantes, que configuram o nosso modo de ver o mundo. Sozinhos, nunca somos totalmente isentos, temos sempre um determinado viés. Numa época de incertezas sobre o futuro da mídia, aí está um dos grandes diferenciais de um jornal em relação ao que simplesmente é publicado na rede.
       Imprensa e internet não são mundos paralelos: comunicam-se mutuamente, o que é benéfico a todos. No entanto, seria um empobrecimento democrático para um país se a primeira página de um jornal fosse simplesmente o reflexo da audiência virtual da noite anterior. Nunca foi tão necessária uma ponderação serena e coletiva do que será manchete no dia seguinte.
       O perigo da internet não está propriamente nela. O risco é considerarmos que, pelo seu sucesso, todos os outros âmbitos devam seguir a sua mesma lógica, predominantemente quantitativa. O mundo contemporâneo, cada vez mais intensamente marcado pelo virtual, necessita também de outros olhares, de outras cores. A internet, mesmo sendo plural, não tem por que se tornar um monopólio.
                     (CAVALCANTI, N. da Rocha. Jornal “O Estado de S. Paulo”, 12/05/14, com adaptações.)
01.De acordo com o texto, em relação à internet, a importância da imprensa está direcionada essencialmente:
a) ao papel no jogo democrático, como moderador do debate público, tornando possível o diálogo e criando espaços de discussão em contexto de civilidade.
b) à criação de um novo cenário democrático que permita a todos uma participação mais livre e aberta.
c) à busca de consensos nos debates virtuais para que se reverta a situação de ausência de diálogo na internet.
d) ao esforço no sentido de levar a internet, uma tecnologia de comunicação instantânea, extremamente plural, a se tornar um monopólio.

02.Ao tratar do “empowerment ” do cidadão proporcionado pela grande rede, o texto faz referência não só a aspectos positivos, mas também a riscos da internet. Entre estes está o risco de a internet:
a) configurar-se como um grande “clube” ao qual os usuários, por comodidade, quase sem perceber, se tornem associados.
b) levar as pessoas a se isolarem em seu mundo particular, impossibilitando o diálogo e empobrecendo o debate público.
c) condicionar o modo de ver o mundo numa direção única, ampliando as margens de possibilidade de diálogo entre as pessoas.
d) vir a tornar-se centralizadora, impondo-se a outras formas de comunicação, em que pese sua natureza diversificada.

“Trata de um dos aspectos mais festejados da internet...” 
03. De acordo com a sintaxe do texto, o termo em função de sujeito em relação ao verbo da oração transcrita acima é:
  a) “o relacionamento humano.”          b) “Este artigo.”
  c) “a pornografia.”                           d) “no mundo virtual.”
  e) “o empowerment.”

       E o que pode haver de negativo nisso tudo? A facilidade de conexão com outras pessoas tem provocado um novo fenômeno social. Com a internet, não é mais necessário conviver  com pessoas que pensam de forma diferente. 
04. O trecho acima é composto por:
a.         Três orações     b.          Quatro orações
c.         Cinco orações  d.           Seis orações

I.          Imprensa e internet não são mundos paralelos
II.        Com enorme facilidade, posso encontrar indivíduos “iguais” a mim...
III.       Sozinhos, nunca somos totalmente isentos, temos sempre um determinado viés.
05. A análise das orações acima está sintaticamente correta, exceto em:
a.         A II e a III apresentam sujeito oculto
b.         Na III, o predicado da 1ª oração é nominal e da 2ª é verbal.
c.         Na I o sujeito é composto e o predicado é nominal
d.         Na I o sujeito é composto e o predicado é verbal
 06.  A racionalidade não dialogada é estreita, já que todos nós temos muitos condicionantes. O termo destacado tem a mesma função do que está em destaque em:
a. Trata de um dos aspectos mais festejados da internet  b. A racionalidade não dialogada é estreita
c.... necessita também de outros olhares...                          d. A internet não substitui a imprensa



07.       Use o seu guardanapo. O termo  sublinhado tem o mesmo valor sintático do que está em destaque em:
a.         Helga não gosta dos maus hábitos de Hagar          b.     Helga serviu a refeição com rispidez.
b.         Hagar não obedece à ordem de Helga                     d.    Helga estava irritada
08.       Analisando a tira conclui-se que:
I.          O sujeito da oração do 1º e 3º quadrinho tem o mesmo referente (Hagar), mas em cada enunciado há uma classificação diferente.
II.        I.          O sujeito  do 1º quadrinho é oculto, do 3º é simples
III.       No 3º quadrinho o predicado é verbal, assim como no 1º, pois os verbos usar e comer são nocionais
Está correto o que se afirma em:
a.         I somente  b.     I e II  c.   I, II e III  d.            I e III           
9. A oração “Não havia guardanapo nas mãos de Hagar” apresenta em sua estrutura:
a. sujeito indeterminado    b. oração sem sujeito
c. sujeito oculto               d. Alguém é núcleo do sujeito

10. Helga considerou  Hagar deselegante.  Analise sintaticamente essa oração e indique:
a.  tipo de sujeito:                            b. tipo de predicado:              c. tipo de complemento verbal:

GABARITO:
1A
2D
3B
4B
5D
6D
7B
8C
9B
10 a.sujeito simples b. predicado verbo-nominal  c. objeto direto

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

EXERCICIOTROVADORISMO


CENTRO DE ENSINO AMADO JOAQUIM
PROFESSORA: RONY FAIETH F. PASSINHO
 
ATIVIDADE DE LITERATURA SOBRE O TROVADORISMO
 
1. Uma das diferenças fundamentais entre as cantigas de amor e as de amigo é:
a. (   ) a autoria                                            b. (   ) o eu lírico
c. (   ) a língua em que eram escritas           d. (   ) o caráter épico
 
2. A confissão da “coita d’amor”, amor respeitoso e platônico, vassalagem amorosa a uma dama inacessível são características das:
a. (   ) cantigas de amor             b. (   ) cantigas de amigo
c. (   ) cantigas de escárnio        d. (   ) cantigas de maldizer
 
3. A poesia, na Idade Média:
a. (   ) era independente da música
b. (   ) confundia-se com a prosa, pelo primitivismo da língua e dos recursos técnicos
c. (   ) era acompanhada de música
d. (   ) É totalmente lírica
 
4.Assinale a alternativa INCORRETA a respeito do Trovadorismo em Portugal:
a. (   ) Durante o Trovadorismo, ocorreu a separação entre a poesia e a música.
b. (   ) Muitas cantigas trovadorescas foram reunidas em livros ou coletâneas que receberam o nome de cancioneiros.
c. (   ) Nas cantigas de amor há o reflexo do relacionamento entre senhor e vassalo na sociedade feudal: distância e extrema submissão.
d. (   ) Nas cantigas de amigo, o trovador (sempre um homem) escreve o poema assumindo o papel feminino.
 
5.Assinale a alternativa INCORRETA sobre as cantigas de amor:
a. (   ) Apresentam forte influência provençal e eu lírico masculino.
b. (   ) Têm uma linguagem mais sofisticada que as cantigas de amigo.
c. (   ) Seu tema é o sofrimento amoroso ocasionado, em geral, pela diferença social existente entre o trovador e a amada.
d. (   )Apresenta uma estrutura paralelística
 
6. Os textos abaixo são de cantigas medievais e foram adaptados para o português atual. Identifique cada uma de acordo com as características das cantigas de amor, de amigo, de escárnio ou de maldizer.


a) A dona que eu sirvo e que muito adoro

mostrai-ma, ai Deus! pois eu vos imploro

se não, dai-me a morte.   

 (Bernardo de Bonaval)

 

b) Trovas não fazeis como provençal

mas como Bernardo, o de Bonaval.

O vosso trovar não é natural.

Ai de vós, com ele e o Demo aprendestes.

Em trovardes mal, vejo eu o sinal

das loucas ideias em que empreendestes.

Por isso, D. Pero, em Vila-Real,

Fatal foi a hora em que tanto bebestes.   

  (D. Afonso X, o Sábio)

 

c) Ai flores, ai flores do verde ramo,

sabedes novas do meu amado?

Ai, Deus, onde ele está?         

  (D. Dinis)

 

d) Ai, dona feia, foste-vos queixar

de que nunca vos louvei em meu trovar;

e umas trovas vos quero dedicar

em que louvada de toda maneira sereis;

tal é o meu louvar:

dona feia, velha e sandia!          (João Garcia de Guilhade)

 

ALUNOS:

 

 

 

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

ACENTUAÇÃO E FONOLOGIA



1.      Da leitura da tira depreende-se que:

a.       Helga mostra-se preocupada com Hagar;

b.      A expectativa de Helga era que Hagar a ajudasse nas tarefas;

c.       Hagar interpreta corretamente a fala de Helga;

d.      Hagar percebeu a intenção de Helga ao pronunciar duas vezes a palavra PESADOS.

 

2.      Sobre a forma verbal machuque presente na tira a análise correta é:

a.       Apresenta 8  letras e 7 fonemas

b.      Apresenta 8  letras e 8 fonemas

c.       Apresenta dois dígrafos

d.      Há ditongo na última sílaba

 

3.      Sobre a palavra ENQUANTO:

a.       Apresenta três  dígrafos

b.      Ocorre o dígrafo qu assim como na palavra que

c.       Apresenta mais letras que fonemas

d.      Apresenta o mesmo número de letras e fonemas

4.A respeito da acentuação gráfica das palavras acima é correto o que se afirma em todas as alternativas, exceto:
a. Mobília é acentuada pela regra das paroxítonas
b. Egoísta é acentuada pela regra dos hiatos
c. Egoísta é acentuada pela regra das paroxítonas
d. Lástima é acentuada pela regra das proparoxítonas
 
                                                                                                                                                                                              
5 A respeito da palavra QUE, no 2º quadrinho, analise as seguintes afirmações:
I. É uma palavra de duas sílabas porque tem duas vogais;
II. O u não é fonema, é apenas uma das duas letras que forma o dígrafo qu;
III. Trata-se de uma palavra cuja base é a vogal u;
IV. O u é semivogal;
V. Trata-se de uma palavra formada por três letras e três fonemas.
Qual afirmação está correta?
 
7.A respeito da forma verbal GUARDEI está correta a opção:
a. Apresenta hiato e ditongo
b Apresenta o dígrafo gu
c.Apresenta dois ditongos
d. Apresenta 7 letras e 6 fonemas
 
7. A análise fonética está incorreta em:
a. A palavra ainda apresenta 5 letras e 5 fonemas
b. A letra l nas palavras solta e pelos apresentam fonemas diferentes
c. Na palavra LÁSTIMA encontra-se encontro consonantal
d. A palavra ESTRAGA tem 7 letras e 7 fonemas
 
8. A respeito da placa acima é correto afirmar que:
a.       Não há erro de acentuação gráfica
b.      A palavra glúteos foi empregada corretamente
c.       Na placa, as palavras CONTÉM  e GLÚTEOS deveriam ser substituídas por contêm e glúten
d.      A palavra GLÚTEOS deveria ser substituída pela palavra GLUTEN, sem acento.
9. As palavras glúteos, composição e sua possuem respectivamente:
a. hiato e ditongos
b. ditongo, hiato e ditongo
c. ditongos e hiato
d. somente ditongos
 
gabarito
1B
2C
3C
4C
5B
6C
7A
8C
9C
 
DAS UTOPIAS
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!
Mario Quintana